ADUFU - Seção Sindical do ANDES
Site Destaque

Nota da ADUFU-SS sobre o cenário eleitoral em 2018

19/10/2018

NOTA DA ADUFU-SS SOBRE O CENÁRIO ELEITORAL EM 2018

 

 

A ADUFU, Seção Sindical do ANDES - Sindicato Nacional dos e das Docentes das Instituições de Ensino Superior, configura-se como uma importante referência local e nacional na luta pelos direitos dos e das docentes da Universidade Federal de Uberlândia e tem sua trajetória de lutas marcada pelo combate a toda e qualquer forma de opressão. Vale enfatizar que nossa seção sindical foi organizada em 1979, ou seja, antes do ANDES-SN, em um momento histórico e político marcado pela opressão e anulação dos direitos sociais e civis.

 

Segundo nosso regimento:

Art. 3o - São objetivos da ADUFU - Seção Sindical:

(...)

V - Buscar a integração com outras entidades representativas de professores, de trabalhadores em geral e dos diversos setores da sociedade civil na luta pela democracia em defesa dos interesses do povo brasileiro;

(...)

VII - Defender a educação enquanto um bem público e uma política educacional que atenda aos direitos da população: ensino público, gratuito, democrático, laico e de qualidade;

 

Nesse sentido, a ADUFU, tem atuado historicamente em defesa da categoria, do ensino público de qualidade e do fortalecimento dos movimentos sociais, no sentido de garantir os direitos historicamente conquistados pela classe trabalhadora e lutar para barrar os ataques ao povo brasileiro. Denunciamos, em 2016, o golpe de Estado jurídico parlamentar que se configurava com o impedimento da presidenta Dilma Rousseff, eleita pelo voto popular e deposta pelas forças conservadoras e

neoliberais que não hesitaram em colocar seus interesses acima da democracia e contra o bem-estar do povo brasileiro.

 

Frente a esses objetivos, o momento político atual, marcado pelo risco iminente de um retrocesso em termos da ascensão de uma candidatura que empodera grupos sectários, xenófobos, misóginos, com um discurso de ódio contra grupos sociais diversos – negros, nordestinos, LGBT, indígenas – e que têm atuado e votado contra a classe trabalhadora – na aprovação da reforma trabalhista, da EC-95 que congela investimentos em saúde e educação por 20 anos, na privatização de nossas riquezas, particularmente os campos de petróleo do Pré-Sal, recentemente descobertos  – exige de nossa seção sindical um posicionamento firme em defesa do Estado democrático de direito, dos direitos conquistados pela classe trabalhadora e da Universidade pública, gratuita, laica e de qualidade. Assim, nos posicionamos contrários e contrárias ao mergulho autoritário que se apresenta na atual conjuntura.

 

É preciso reforçar que as propostas da candidatura de Jair Bolsonaro em relação às universidades públicas indicam claramente um ataque a sua autonomia, apontam para um retrocesso em relação ao acesso e permanência das e dos discentes. Em seu plano, ao invés de investimentos, aparece a proposta clara de tutela direta do desenvolvimento científico por parte dos interesses privados, colocando em cheque os investimentos feitos até o presente. Portanto, nos posicionamos firmemente contra esse conjunto de ações e propostas que se configuram em verdadeiro receituário fascista.

 

Diante disso, a Assembleia Geral de nossa categoria, ocorrida em 17/10/2018, aprovou o apoio à candidatura de Fernando Haddad e Manuela D’Ávila por entender que se configura como a única alternativa frente a este cenário que se apresenta. Assim, conclamamos, a todos os sindicalizados e a todas as sindicalizadas a votar 13, para garantir a democracia e lutar por direitos.

Cabe ressaltar que nossa seção sindical é autônoma e sem qualquer vínculo partidário, e continuaremos lutando na defesa dos princípios acima pautados independentemente de quem ganhar as eleições presidenciais em 28/10/2018.

 

Uberlândia (MG), 19 de outubro de 2018

Diretoria Executiva da ADUFU-Seção Sindical